Diferente das estruturas nas cidades paulistas de Campinas e São Carlos, e na mineira Varginha, os sistemas de transmissão da EPTV em Ribeirão Preto ficam distantes do edifício principal, obrigando a emissora a utilizar links digitais de micro-ondas. Esta comunicação envolve processos que requerem cuidados extras com a integridade dos sinais e o desempenho dos equipamentos envolvidos.

Para melhorar o chaveamento e a monitoração dos sinais, a EPTV estava considerando inicialmente a possibilidade de montar um projeto que é muito comum para as emissoras de TV: incluir uma série de decodificadores de vídeo para monitorar diversos pontos e chavear os sinais através de roteador de vídeo, tudo isso com monitoramento presencial. A partir do projeto conjunto desenvolvido com a Avicom Engenharia, a EPTV Ribeirão decidiu usar novas tecnologias que integram uma solução completamente digital e com capacidade de chaveamento automático e monitoração remota. Após um rigoroso processo de avaliação e homologação de sistemas, foram escolhidas as soluções da Bridge Technologies para a implantação deste projeto pois se mostrou completo, com capacidade de aumentar a segurança da operação e com baixo custo de implantação. As probes da fabricante avaliarão os parâmetros da qualidade de serviço (QoS) de sinais em ASI, IP, satélite e ISDB-Tb. Em caso de queda no desempenho, padrões incorretos ou falhas, um alarme é enviado de várias formas aos responsáveis técnicos da emissora e em alguns casos uma chave automática ( em ASI ) será usada para comutar o sinal que será exibido pela emissora.

Segurança reforçada

As conexões de áudio e vídeo utilizam rotas redundantes para chegar à torre de transmissão. Por elas passam a programação distribuída na região – mais de 60 municípios, além de contribuições para a rede da EPTV e da própria TV Globo. Na sede da emissora, o sinal ASI é convertido para IP e enviado por micro-ondas ao site de transmissão, onde é reconvertido para ASI. Nestes pontos de conversão ( site remoto ) estão probes da Bridge Technologies para verificar a se houve alguma alteração na integridade dos sinas incluindo parâmetros como ETR 290, Tabelas, PIDS, PCR, nível de sinal, relação sinal/ruído, MER, BER, e muitos outros analisados em tempo real. Além disso algumas probes poderão chavear os sinais manualmente ou automaticamente em caso de queda de sinal ou se estiver fora dos parâmetros estipulados pela emissora, tudo isso com acesso remoto das informações onde a operação é assistida pela equipe técnica e operações na emissora.

EPTV_RIBEIRAO_QUALIDADE
Fluxo de sinais da solução instalada pela EPTV Ribeirão

“Com esta solução nós podemos monitorar os sinais que chegam ao posto de transmissão, e dependendo da qualidade ou de falha destes , utilizar a chave comutadora da Bridge Technologies para comutar automaticamente os sinais entre os links de micro-ondas”, explica Sergio Coelho, Gerente Operações e Manutenção da EPTV.

 

Controle integral

Um dos aspectos cruciais do projeto desenvolvido pela EPTV e a Avicom Engenharia está no gerenciamento centralizado através do software Video BRIDGE Controller (VBC). Ele exibe todas as informações técnicas, gráficos e tabelas dos serviços monitorados em um multiviewer virtual. Numa única tela é possível verificar o desempenho da operação de distribuição, com dados sobre a integridade da rede e todos os fluxos de mídia.

“O VBC é capaz de alarmar e chavear os sinais de links de micro-ondas e satélite automaticamente, além de gerar relatórios de performance de todos os pontos monitorados, com o envio de e-mails para as equipes, permitindo detectar de problemas de forma antecipada para ações de manutenção preventiva”, explica Jaime Ferreira, diretor da Avicom Engenharia. “Graças a solução da Bridge Technologies, a EPTV poderá reduzir custos de operação e ter um sistema mais eficiente e com capacidade de prever erros”.

Hardware integrado

A solução da Bridge Technologies é composta por módulos integráveis de hardware e/ou software, conhecidos como probes. Entre os probes utilizados pela EPTV estão os modelos VB120, VB243, VB256, VB242 e VB272. O VB120, por exemplo, monitora os fluxos IP – unicasts e multicasts, integrados em um frame de 1RU com probes VB242 ( ASI ) e VB 272 ou VB256 ( DVB, ISDBT ), podem monitorar uma gama de formatos de RF Satélite e ISDB-Tb. As suas análises detalhadas e capacidade de acesso remoto via rede, reduzem a necessidade deslocamentos de equipes para monitoramento de sinais e permitem uma rápida identificação de problemas que foram gerados em campo.

BRIDGETECH
Exemplo de configuração dos módulos

Já a comutação inteligente de conexões ASI é feita pelo VB243. Ele tem conexões redundantes e capacidade de analisar em detalhes dois sinais para decidir sobre uma comutação automática ou manual. O projeto e construção de todos os módulos segue os padrões da indústria de telecomunicações para máxima confiabilidade e manutenção mínima.

1 comment
Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You May Also Like

Sistema Grass Valley Stratus automatiza a produção de notícias na EPTV de Campinas

A Empresa Paulista de Televisão (EPTV), afiliada da TV Globo no interior…

Rede Record e Avicom unidas no projeto RCP Live

Conectividade é um dos grandes desafios da RecordTV e das mais de…

Record TV adota solução da MediaKind na cobertura dos Jogos Pan-Americanos 2019

Detentora exclusiva dos direitos de transmissão dos XVIII Jogos Pan-Americanos na televisão…